Desânimo

sábado, 10 / janeiro / 2009

Bateu o desânimo. Minha vida parece dar voltas num círculo que nunca sái do lugar. Todas as tentativas de se avançar em qualquer rumo fracassam uma após a outra.

Eu sinto que tenho apenas uma coisa que sei fazer, sei programar, e consigo me disciplinar e produzir com isso. Mas sempre vai ter aquela hora em que o cérebro cansa, o sono parece vir, porém se vai logo que deito, me deixando só com meus pensamentos, a princípio, sobre algo que tinha acabado de fazer, e alguns planos que tenho, mas uma eu começo a pensar no resto, o mundo além disso, e vejo que há apenas um vazio.

Eu até tento voltar ao que pensava antes, mas o vazio já contaminou meu pensamento, eu lembro por mais genial que seja o que quer que eu faça, não há amigos me apoiando, não há namorada para tentar impressionar, não há nada fora de mim que realmente me puxe para frente.

Eu levanto, digo para mim mesmo que isso é fome, vou à cozinha, como, não ressolveu. Ando em círculos pelo apartamento, ligo o computador vejo alguns blogs, são engraçados e eu ri, mas é um riso superficial, e dura pouco, logo estou de volta aonde estava, uma parte irônica de mim me diz que eu preciso de um escapismo melhor.

O pior é que há uma ponta de esperança que não me deixa desistir, não me deixa entrar em nenhum processo auto-destrutivo, nesse sentido, meu lado irônico se alia à esperança dizendo que melhor nem tentar pois com certeza não serei bom nisto também. Não, eu posso nem quero parar. Me resta apenas continuar e sempre continuar.

Continuar o quê? qual o sentido disto, para que seguir em frente? Por não ter escolha em última hípotese é o que me move, além de que minha ala esperançosa me diz que eu vou conseguir superar minhas dificuldades, que eu no fundo mereço a vida normal que tanto anseio. As vezes convence, mas em momentos como este, parece desespero  e um tanto de comodismo, esperar que melhore. Quero mudar, preciso mudar, mas o que eu tenho que mudar nem sempre é claro.

Penso e consigo vislumbrar os meus defeitos, mas qual tenho que mudar? Minha falta de convicção e certeza sobre quase tudo? Minha insegurança sempre presente? Meu nervosismo descontrolado? Meu desligamento à respeito ao mundo ao redor? Minha falta de assunto ou os assuntos sem graça que tenho? E como mudar isso? Isto é caracteristica da minha personalidade, faz parte de mim. Como posso lutar contra eu mesmo? Por mais que eu odeie ser do jeito que sou, é impossivel fugir de si próprio.

Seria mais fácil se amigos para mim fossem mais do que rostos sombreados do passado, que figuras do que poderia ter sido? Se meus relacionamentos fossem além quase? Meu círculo social está todo na minha imaginação, baseado em fragmentos de pequenos sucessos, que precederam fracassos posteriores, mas são sempre lembrados por aquela pontinha de esperança.

No final das contas, estou preso em um novo ciclo agora, o ciclo do desânimo, que já faz parte de mim, e está sempre em guerra contra minha esperança. Uma mudança se faz necessária para sair do lugar, e eu até me mexo dou alguns passos, mas quando me dou por mim, foi apenas uma volta aonde estava, e sigo assim, dando voltas e voltas e voltas…

Anúncios

Eu não sei como dizer…

sábado, 27 / setembro / 2008

Saca aquelas idéias confusas difíceis de concatenar… Pois é. Eu estou com umas cem delas na cabeça. Então, tcharam! Post em tópico pra vocês!

  • Eu ia postar dizendo o quão bem eu estava. Tipo eu realmente achava que estava, mesmo a minha psicóloga me disse isso. E minhas consultas passaram a ser quinzenais.
  • Mas aí eu não postei.
  • Aí aconteceram coisas que me desanimaram um pouco.
  • Mas aí eu soube que a Mamy voltou! (aliás, se você estiver lendo isso, Mamy, saiba que eu senti muita falta do seu blogue, e fiquei muito feliz com a volta. Só não comentei lá ainda porque também estou viciado nos agregadores, mas vai aí meu trackback cheio de energia positiva).
  • Isso valeria um post, mesmo porque ela, o Neutron, e meu Primo são os únicos que sabem da existencia desse blog.
  • E tanto a Mamy quanto o Neutron escrevem otimamente bem.
  • Já meu primo… Eu não vou falar nada sobre ele enquanto eu me lembrar do spam do último post. Só botei o link porque hoje é o aniversario dele e eu não quero uma briga em família.
  • Mas mesmo com isso acima, eu não postei.
  • Não, nada disso foi suficiente pra postar. Eu até quis, abri o wordpress uma 20 vezes nos últimos tempos. Mas nada escrevi.
  • Não escrevi quando fiquei a um ponto de ser o primeiro colocado da Maratona de Programação. Que foi vencida, vejam só, por alunos de Mestrado. Bastava um pouco mais de experiência minha equipe (eu inclusive) estaria fazendo as Mala pra ir à Vitória. A cidade mesmo, porque a Maratona Nacional com certeza vai ser vencida pelos paulistas. Mas valeria a viagem, com certeza.
  • Mas não postei nada sobre isso.
  • Também nada disse sobre o abraço que levei, no mesmo dia, daquela, garota. Não, nunca falei sobre ela aqui. Mas se acho vocês entendem, era aquela que eu mais queria abraçar. E, sinceramente, ainda quero.
  • Também não contei sobre como eu convidei ela pra sair no mesmo dia, nem como ela aceitou.
  • E muito menos como ela me despachou no dia que sairíamos.
  • Arrasado como fiquei, não ficaria somente pelas palavras, que nem foram muito ruins, foi apenas uma desculpinha meio esfarrapada que eu não acreditei.
  • Não, foi mais pelo espectativa que criei, pelo que eu sinto por ela e pela confusão daquele abraço e do tempo que passamos juntos depois.
  • Achei que foi erro meu, mas pode não ter sido. E isso é o que mais me confunde.
  • Mas não escrevi sobre isso também.
  • Ontem a minha psicóloga disse que só o fato de ter tentado, já foi um grande avanço. E depois marcou a uma consulta pra próxima semana.
  • Talvez meu caso tenha ficado mais interessante. Talvez tenha piorado. Vai lá saber. Isso poderia ser confuso, mas eu já tenho tanta confusão na cabeça que não há espaço para mais essa. Então tô bem tranquilo quanto a isso.
  • E to mais tranquilo quanto a todo o resto. De fato, eu não estou tão bem quanto achei que estava. Mas o fato de saber disso me faz sentir que estou, de qualquer jeito, melhor. E o fato de saber o quanto não estou bem ainda, me faz sentir melhor do que na maioria dos momentos que já vivi.
  • Pode ser que eu tenha postado por causa disso. Mas eu acho que não.
  • Eu acho que cada tópico era motivo pra um post, mas nenhum foi…
  • Então eu só escrevi, porque tinha todos esses motivos, juntos, me cutucando o cérebro.
  • E é isso.
  • É, eu tambem não sei terminar posts em tópicos.
  • E esse ficou enorme.
  • Mas agora acabou!

Barulho por Nada

terça-feira, 3 / julho / 2007

Lembram do que eu falei sobre a monitoria que eu poderia pegar e como eu estava empolgado em ter uma ocupação (mesmo que sem remuneração).Pois bem, eu consegui, vou monitorar duas turmas de Manutenção de Computadores a partir de Agosto. Mas sabe a “empolgação”? Poisé, já foi, e por causa do processos de seleção. Foi o seguinte, no primeiro dia fizeram aquele teste que eu falei no post anterior, e eu fui para o segundo dia o “teste” foi simplesmente 3 perguntas: “Que horas você pode vir?”, “O que você acha que sabe ensinar?” e “Sua camisa é P, M, ou G?” e pronto, sou um monitor.

Tá certo que eles vão nos dar um treinamento antes das aulas, mas cara, eu não acho que sei o suficiente para tirar dúvidas, que é minha principal função, e os horários que eu peguei foram meio ruins (3ª e 5ª de manhã cedo e Sábado de tarde). Mas eles dão certificado, eu preciso mesmo “enfeitar” meu currículo, então vou encarar mesmo assim.

Mas ainda acho que foi fácil demais!

Consegui!!!

quinta-feira, 19 / abril / 2007

Photo Sharing and Video Hosting at Photobucket
Duas semanas projetando e desde sábado programando e aí está, prontinho, só falta fazer o programa de instalação…