E Acabou

sexta-feira, 25 / novembro / 2011

E era legal. E era bonita. E por algum tempo gostei muito dela. Mas era previsível, pela segunda vez era tão previsível que ia acabar. A maior dica é que a música que mais tocava na minha cabeça nos último tempos, não era a tal da “nossa música”, mas sim essa:

Tédio. Não sei como, no fim das contas era isso o que se tornou. Eu poderia tentar discorrer sobre os defeitos que ela teria, mas não sou do tipo que precisa odiar alguém quando termina. Na verdade, eu bem que admito que errei bastante também. Me deslumbrei, não me impus quando deveria, não tomei atitude, me acomodei muito rápido.

A parte mais triste é que não houve fossa. Não houve horas e horas ouvindo Creep sozinho no quarto escuro. Meu maior medo mesmo era recomeçar. Não sou bom em começos, minha timidez me atrapalha muito nessa hora. Isso varia desde a gagueira até não saber se liga no dia seguinte ou espera três dias. Mas no final das contas, não valeu a pena. Não tive nem o gostinho de ouvir músicas deprês. Só alívio e talvez uma certa irritação.

E duas semanas depois, fui à melhor festa de Halloween da minha vida, e conheci alguém sensacional. É cedo demais pra saber se é a garota. É cedo demais pra me empolgar. Mas é legal arriscar. Se der tudo errado, ficar complicado, se eu ficar triste, bem, eu coloco essa música:

E vou lembrar que enquanto eu tiver me movendo, tudo estará bem. A estagnação e o tédio é que devem ser meus inimigos.

Você chega, e tenta passar indiretas tão discretas quanto for possível. Tenta dar uma impressão de “Take Me Out”, passando codificadamente a seguinte mensagem:

So if you lonely/ You know I’m here waiting for you…

Parece legal e nada forçado. Se ela não tiver nenhuma alternativa melhor, você tá lá, de bobeira, disponível, sabe? E que seria muito divertido se sei lá, pra dar uma variada ela topasse tentar algo. Mas junto com esta mensagem ela vai ouvir:

But I’m a creep/ I’m a weirdo!

Vai por mim, a não ser que realmente não tenha qualquer opção disponível, e esteja desesperada porque todas as amigas se casaram e todos os ex-namorados tornaram-se gays, e o emprego estiver mal e ela tenha visto um vídeo esquisito e recebido um telefonema estranho em seguida, ela vai querer alguém se contente em ser a última opção.

Minha Quase-Perfeita Vida….

domingo, 2 / novembro / 2008

Pode ser só um delírio momentaneo causado pela overdose de series que vi nesse fim de semana, mas por algumo motivo eu tô me sentindo bem agora. E realmente acho que não é só pelos episodios de SITCOMS que vi. Apesar que uma temporada e meia de uma e meia de outra realmente me ajudaram a relaxar, eu consigo pensar em várias razões pra me sentir bem.

Eu apenas percebi que já tenho quase tudo o que eu quero. Eu queria ter um carro, queria ter um computador melhor, queria namorar a Fulana, ter uma casa melhor e muitas outras coisas. Mas não me toquei esses desejos indicam que um outro desejo meufoi realizado. Eu sempre quis ser como os outros, fazer parte da multidão. Só que os outros também querem ter carros, computadores, casas e até fulanas ou sicranas, ou mesmo beltranas, etc. É meio bizarro notar que meu desejo de ser normal impediu que eu percebe que sempre fui normal.

Tenho defeitos, mas nada que me impeça de viver, na verdade pode até ajudar. Minha insegurança faz com que eu tente fazer direito, evita que eu erre. Minha distração evita que me preocupe demais, o que provavelnente me salvará de AVC. Até minha preguiça é útil, pois me dá tempo pra pensar.

Acho que o único defeito real que tenho é o fato de não me aceitar como eu sou, de querer me mudar para me encaixar melhor, de ficar pensado em como sou e como deveria ser. Eu sou o que sou,  mais um ser sem qualquer habilidade social tentando se virar. Mais uma peça no quebra-cabeça. Continuarei tentando melhorar, porque sempre há o que melhorar, mas sem aquele sentido de urgencia. Eu não estou transbordando de felicidade, talvez nem feliz esteja, porém eu sei que tô bem agora. Simplesmente bem.

Posso até ser mais sincero se alguém perguntar “Tales, tudo bem?”, aí eu respondo “Tô bem! Sempre pode melhorar, mas até que tá bom do jeito que está”.

Decidido

sexta-feira, 18 / janeiro / 2008

Em 2003, eu tinha 14 anos, estava na última série do ensino fundamental. Nessa época, um amigo me chamou pra ir numa loja onde vendia lentes de contato. Eu até gostava de usar óculos na época, mas como eu morava no interior, não tinha nada melhor pra fazer e fui lá. Olhei um pouco mas na época eu gostava muito de ter um ar intelectual e não escolhi nada.

Passado algum tempo meu amigo apareceu com as lentes que escolhera. Com uma cor exótica eu achei estranho. E não fui o único, mas depois de umas semanas realmente ele conseguiu causar o efeito que desejava, e realmente ele conseguiu uma certa popularidade. Então ele sugeriu que eu também experimentasse usar. “É talvez… Vou pensar nisso!”, falei eu.

Então, um tempo depois, eu me decidi que ia usar, marquei uma consulta, tirei umas dúvidas e encomendei um kit de lentes descartáveis. Leva de 10 a 15 dias pra ficar pronta, então até o final do mês eu vou finalmente seguir a sugestão do meu amigo da 8ª…

Essa é uma característica minha, eu posso demorar bastante pra me decidir (uma semana, um mês ou, no caso, quatro anos) mas quando decido, não nada que me faça voltar atrás! Exceto se der errado. Eu posso levar um tempo pra perceber, mas se tiver errado eu assumo e corrijo… eu acho, não sei, ainda tenho que decidir isso.

Eu prometo, tu prometes… eu cumpro?

segunda-feira, 7 / janeiro / 2008

Ok, chegou a temida hora de fazer as promessas pro próximo ano. Na verdade pode se dizer que já estamos no “próximo ano” no qual essas promessas que prometerei deverão se cumpridas, mas como ainda estamos em Janeiro, acho que posso prometê-las ainda.

Eu demorei a escrever este post por um motivo bem simples: preguiç eu não fui muito bem com as promessas do ano passado. Não adianta procurar no arquivo, eu comecei a postar nesse blog apenas 28 de janeiro. A antiga versão do blogger (sim eu comecei por lá em 2006) tampouco contém posts de resoluções de ano novo. Quer dizer tinha um post onde eu comentei sobre metas na minha vida (como aprender a dirigir, arrumar trabalho, etc). Mas as promessas que eu fiz mesmo foram:

  1. Arrumar emprego;
  2. Aprender a dirigir;
  3. Sair de casa;
  4. Comprar um carro;
  5. Arrumar uma vida social;
  6. Perder Timidez;
  7. Comprar todas as temporadas de Friends.

Admito que algumas dessas eram tolas, outras eram idiotas e alguma ainda eram estúpidas. Mas bem pelo menos a última eu consegui cumprir totalmente. A 1 foi parcialmente cumprida com as monitorias que participei, as 5 e 6 também pois hoje eu posso não ser uma figura conhecida nas noites de Belém, mas já saio de casa às vezes.

Já 2 podia ser cumprida, mas o máximo que eu fiz foi comprar uma daquelas revistas com o código de transito e as plaquinhas. A 3 eu percebi a tempo que não era a hora ainda. A 4 eu desisti motivado pelo meu saldo bancário.

Agora sim, depois de prestar contas, das antigas, posso fazer novas:

  1. Aprender a dirigir (tem um CFC a um quarteirão e meio de casa, é uma questão de honra agora)
  2. Arrumar um estágio que pague alguma coisa. (Por que estágio é mais fácil que emprego normal)
  3. Ser mais responsável nos estudos (eu não passei o 3º me matando de estudar para depois passar raspando)
  4. Ah sei lá… Atualizar o blog pelo menos uma vez por semana (por que eu não consigo pensar em mais nada)

Enfim são menos promessas mas ainda assim são difíceis, pois são novas responsabilidades, e eu não gosto muito de responsabilidades. Mas putz, esse ano eu fazer 20 anos e não quero perder tempo.

Ufa, já foi o post de resoluções. Agora só falta a retrospectiva 2007 e o aniversário de 1 ano do blog no fim do mês. Depois tem a cobertura do carnaval enfim estrearemos a nova grade de programação de 2008. 😛

E aí, blz? Voltei!

domingo, 30 / dezembro / 2007

Eu não gosto de fazer esse tipo de post. Sabe como é, o cara passa um tempo ocupado, sem tempo e/ou inspiração para escrever. De repente ele lembra que tem um blog mas continua sem inspiração. O que ele faz? Escreve um post de retorno, lógico! O problema é que já tem uns dois posts desse tipo na primeira página desse blog, o que me faz pensar se eu não tô abusando dessa tática.

É claro, não foi a primeira vez que eu fiquei sem inspiração, qualquer um que se dê ao trabalho de investigar o arquivo deste blog com certeza notará uma série de posts tapa-buraco. Desde aos lado bom, ruim e péssimos que até eram legalzinhos até repostagens de blogs antigos. Não que eu seja contra blogueiro que faça repostagem, mas no meu caso, onde o blog de maior sucesso que já tive é este aqui, fica meio estranho…

Eu podia dar a desculpa da falta de tempo pois nas últimas postagens eu contei que havia arrumado um “emprego”. Mas o fato é que eu saí de lá em outubro, assim minha desculpa tá furada.

O caso é que não me faltou idéia pra post, há uns 3 ou 4 rascunhos pela metade, além de outros que ficaram só na cabeça, mas a realidade é que foram passando os dias, semanas, e quase quatro meses. Bem, o que posso dizer? Foi mal galera? Sei lá… Eu só sei que eu gostava de ter um blog, e hoje percebi que continuo adorando ser blogueiro.

Então vamos dizer que tive um bloqueio criativo, e que eu vou inicialmente completar os rascunhos e dentro de alguns dias voltaremos às atividades normais. Grato pela pela paciência!

Então, se ainda tem alguem aí, minhas sinceras desculpas, um feliz natal atrasado e um feliz ano novo adiantado. E beleza, tô de volta.

Dia Ruim

quarta-feira, 20 / junho / 2007

Eu estava fazendo um post sobre o meu final de semana que excepcionalmente estava ótimo, mas como maré de sorte não dura muito comigo, de segunda pra cá a coisa só piorou… Inicialmente eram coisas lights como temporal, falta de energia e escorregões, enfim, coisas que mesmo na hora eu ria, pois eu não tenho essa neura e sei rir de mim mesmo.

Mas hoje… Primeiro foi prova estressante, só fiz metade, certamente com erros e ainda assim graças a uma certa “consulta” a uma prova de um colega de classe. Isso me faz sentir pior, pois eu não gosto de colar, me sinto um burro ao fazer isso. Mas burro mesmo eu me senti quando recebi o resultado de outra prova, com um até generoso 4 de nota. Quatro, justo em cálculo, sendo que eu só entrei na universidade porque pontuei bem em matemática. Enfim, por isso e tambem por que eu tinha uma prova no curso de inglês, eu resolvi vir para casa.

E foi uma boa idéia, pois bastou quinze minutos para eu perceber quão ridículo eu estava. Primeiro porque eu ainda não fui reprovado, estou muito bem em todas as outras matérias, além de que minha vida já não se resume a estudar e por isso minha vida continuaria tendo muito sentido se porventura fracassasse no curso.

E assim, fui fazer a prova de inglês tranqüilo e me saí bem (muito bem, diga-se de passagem), e só publiquei esse texto porque já tava na hora de atualizar pois….

EU PASSEI DA MARCA DE 1000 VISITAS!!!!!!!!!!!!!

E isso não pode passar em branco, né?